Fénix 

Vejo a terra, antes salpicada de verde bravo, tingida pela ganância desmedida de uns. Já não me recordo do que houvera antes.

A floresta já havia sido arrasada desta forma, anteriormente. E agora, que a vida a preenchia solenemente,  derrubavam-na novamente.
Mas os meus olhos já não choram. Como se vai tudo restabelecer?

As folhas no solo, escaldadas, mortas. Os troncos, torrados, semi-vivos. A terra negra. Há um contraste desconcertante nesta natureza que não consigo aceitar.

Mas as lágrimas não caem. Terá a minha esperança sublimado?

Não sei como quem ali permanece vai avançar. Eu não saberia como. Tudo o que associava a vitalidade, desapareceu. Da noite para o dia.

A flora extinguiu-se nas labaredas sedentas. A fauna ou pereceu, ou desertou o seu habitat familiar.

Mas os meus olhos subsistem áridos, e espelham a realidade que antes conhecia como selvagem e plena de vegetação indomável.

As cinzas não se vão erguer e reconstruir o que já existiu. Irá a Natureza impôr-se de novo? Ou irá ela libertar a sua ímpia vingança sobre o Homem?

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s